Doença de Parkinson e a estimulação cerebral profunda

Doença de Parkinson e a estimulação cerebral profunda

A Doença de Parkinson é uma doença neurodegenerativa crônica e progressiva. Ela afeta o movimento, não tem cura e seus sintomas pioram com o decorrer do tempo. Sua causa ainda é desconhecida, mas está relacionada com o mal funcionamento e morte de células nervosas do cérebro.

Os sintomas mais comuns da Doença de Parkinson são: tremores (mãos, braços, mandíbulas, pernas e face), lentidão de movimentos, rigidez nos membros e tronco, comprometimento do equilíbrio e coordenação, perda do olfato, constipação, alteração do sono, entre outros.

Um dos tratamentos oferecido para a Doença de Parkinson em estágio avançado é a Estimulação Cerebral Profunda (DBS – Deep Brain Simulation), que consiste na colocação de um gerador de pulsos implantável em diferentes áreas do cérebro responsáveis pelo movimento. Em seguida, leves choques elétricos são enviadas para estas partes do cérebro.

É utilizado como último recurso, em pacientes cujos sintomas não podem mais ser controlados com medicações.

A DBS não cura a Doença de Parkinson e também não retarda a sua progressão, apenas melhora os tremores provenientes da doença, melhorando a qualidade de vida da pessoa em tratamento.

É um tratamento reversível, ou seja, pode ser removido ou desligado havendo necessidade.

Como é um tratamento cirúrgico, envolve riscos aos pacientes, como por exemplo, sangramentos cerebrais, convulsões, infecção. Portanto, cada caso deve ser estudado cuidadosamente com o médico responsável pelo tratamento da doença.

Se você tem dúvidas quanto à indicação deste tratamento para você ou um familiar, é importante que você converse com o médico responsável. Ele irá te ajudar a entender todos os critérios e passos até a cirurgia e também a estabelecer expectativas realistas sobre a vida com um sistema de DBS.

 

Texto escrito por Daniela Suzuki Bravo, Enfermeira, formada pela UNIFESP. Experiência de mais de 10 anos em Geriatria e Gerontologia. 

 

Fontes:http://www.deltamedical.com.br/sem-categoria/neuroestimuladores-cerebrais/http://www.medtronicbrasil.com.br/your-health/parkinsons-disease/device/benefits-risks/index.htmhttps://maldeparkinson.med.br/os-sintomas-do-mal-de-parkinson/

 

Leave a Reply

Your email address will not be published.