Babás de antigamente e dos dias atuais, como o mercado se desenvolveu? O que mudou?

Babás de antigamente e dos dias atuais, como o mercado se desenvolveu? O que mudou?

Embora a profissão de babá seja recente, a função sempre existiu. O termo “babysitter” apareceu em 1937, enquanto o verbo em inglês “to baby-sit” aparece pela primeira vez em 1947. A origem da palavra Babá vem do persa bābā (بابا), que significa pai.
Cada vez mais presentes na sociedade moderna, as babás são as responsáveis por cuidar das crianças a partir de 3 ou 4 meses de idade (sem especialização em enfermagem) na ausência dos pais. Esta função tem evoluído para uma ajuda constante às mães, incluindo os cuidados com roupas e alimentação das crianças.
E como isso se desenvolveu ao longo do tempo?

Idade Média: crianças da nobreza eram amamentadas por outras mulheres que não a mãe, as chamadas amas-de-leite, e só voltavam ao convívio familiar depois do desmame, que ocorria tarde, às vezes depois dos 6 anos.

Brasil colonial e imperial: as escravas que tinham filhos eram as amas-de-leite no país. As escravas que não tinham também faziam parte da dinâmica familiar, eram amas-secas e cuidavam das crianças.

Séculos 19 e 20: surgem as governantas, mulheres que gerenciavam toda a organização da casa das famílias ricas. Elas controlavam os outros empregados e cuidavam da educação das crianças, como no filme a Noviça Rebelde. .
Décadas de 60 e 70: com a entrada das mulheres no mercado de trabalho, surge a necessidade de ter uma pessoa para cuidar das crianças. No Brasil, há uma adaptação do trabalho de empregada doméstica, que dorme na casa da família, com folgas apenas aos finais de semana ou a cada 15 dias. .
Hoje: novos modelos surgem com a evolução econômica do país, que traz mudanças a todo o setor de serviços. Mulheres de países latino-americanos com situação menos favorável começaram a migrar para grandes cidades para trabalhar por salários mais baixos. Atualmente temos também as babás de “luxo”, para um público cada vez mais exigente . A babá deixa de ser funcionária e muitas vezes é tida como parte integrante da família.