Mal de Parkinson, quem cuida?

Mal de Parkinson, quem cuida?

Doença que atinge idosos e não idosos

O Mal de Parkinson é também uma doença degenerativa progressiva dos neurônios produtores do neurotransmissor dopamina, diretamente relacionada aos movimentos do corpo. A dopamina tem a função de transportar os impulsos nervosos emitidos pelo cérebro a outras partes do corpo.

Sintomas

A rigidez muscular e tremores involuntários são alguns dos sintomas observados quando ocorre a destruição das células nervosas localizadas em várias partes do cérebro.

De acordo com o site saúde.abril.com.br existem casos de Mal de Parkinson que não apresentam tais sintomas, e tremores involuntários podem ocorrer por outro tipo de problema.

Nem sempre os sintomas se demonstram aparentes, porém ao perceber algum dos sinais abaixo, é necessário procurar ajuda médica para o início do tratamento:

  • tremedeiras dos braços e das mãos
  • diminuição na rapidez dos reflexos musculares
  • rigidez nas articulações
  • alterações que acontecem em um único lado do corpo
  • passos mais curtos
  • redução dos movimentos dos braços
  • descontrole da saliva (baba)
  • pessoa que deixa de piscar naturalmente
  • depressão
  • confusão mental
  • dores musculares
  • dificuldade para escrever ou movimentos que exigem precisão

Apesar de ser uma doença considerada da terceira idade, existe um número alarmante de casos em pessoas com menos de 40 anos.

Tratamento

De acordo com o Dr. Drauzio Varella, o tratamento pode ser medicamentoso para evitar a diminuição progressiva da dopamina, psicoterápico para evitar a depressão, perda de memória e o aparecimento de demências, e em alguns casos é necessário intervenção cirúrgica.

Recomendações

Procure por orientação médica assim que perceber qualquer um dos sintomas citados acima.

Mantenha uma rotina de atividades intelectual como leitura, palavras cruzadas, noticiários entre outros.

Pratique atividades físicas regularmente. Exercícios físicos ajudam a preservar os movimentos.

O papel do cuidador

Por ser uma doença que afeta diretamente os movimentos da pessoa, será necessário atenção constante com o doente que precisará reaprender ou adaptar-se as atividades simples ou triviais do seu dia a dia.

A contratação de um cuidador pode ser uma excelente opção para a família, pois cuidar de pessoas com problemas de locomoção pode ser uma tarefa complexa, dependendo do grau de dependência. Além disso o cuidador poderá dar todo o suporte emocional necessário ao paciente, pois segundo estudos, os portadores desta doença podem desenvolver depressão, irritabilidade, sentimentos de inferioridade e até mesmo tendências suicidas.

Leia também em nosso blog:

O papel da família com o paciente de Alzheimer

Doenças mais comuns na terceira idade

Há mais de 10 anos no mercado somos referência na prestação de serviços no atendimento domiciliar. Acompanhamos todo o processo de implantação para que os envolvidos se sintam seguros e confortáveis.

Para nos conhecer melhor, siga nosso Instagram e acompanhe nossos conteúdos que criamos especialmente para você.

Fale conosco agora mesmo!

 

 

Fontes:

saude.abril.com.br

drauziovarella.uol.com.br

Leave a Reply

Your email address will not be published.