Meu filho não para de chorar!

Meu filho não para de chorar!

Saiba o que pode estar acontecendo com seu bebê e o que fazer

“Não é incomum em unidades de pronto atendimento infantil a seguinte situação: No meio da noite entra na sala do médico uma mãe exausta, com um bebê dormindo em seu colo e diz “doutor, parece mentira o que vou falar, mas eu trouxe meu filho aqui hoje porque ele não parava de chorar e eu já não sabia mais o que fazer…”

Na maioria das vezes a criança está perfeitamente saudável, por isso resolvemos abordar este tema a fim de tentar ajudar as mães a lidar com esta situação.

Primeiramente, crianças com menos de 1 ano de idade tem poucos recursos para se comunicar e exprimir suas vontades, um desses recursos é o choro. Os pais, com o passar do tempo passam a reconhecer as vontades das crianças e a saber como agir para supri-las, dessa forma os bebês passam a chorar menos pois não necessitam deste recurso para ter suas necessidades atendidas.

Então o que o bebê quer dizer quando está chorando?

Vamos elencar abaixo alguns motivos que podem levar o seu filho a chorar:

1- fome

2- necessidade de troca de fralda

3- roupa inadequada (sensação de calor ou frio por excesso ou falta de roupas)

4- necessidade de atenção (o bebê pode querer colo ou a presença dos pais perto dele)

5- sono

Se os pais checaram todas estas possibilidades e a criança continua chorando existem duas possibilidades para isto: período PURPLE do choro, e dor ou cólica.

O período PURPLE do choro é um acrônimo em inglês criado pelo Dr. Ronald Barr (especialista no estudo do choro na infância) que se refere as características deste choro:

P – peak of crying (pico de choro)

U – unexpected (inesperado)

R – resists soothing (inconsolável)

P – pain like face (face de dor apesar da criança não estar sentindo dor)

L – long lasting (longa duração)

E – evening (o bebê chora mais no fim da tarde e a noite)

É um fenômeno que acontece entre 15 dias de vida e 4 meses de idade, e se caracteriza por longos períodos de choro inconsolável no fim da tarde e durante a noite. O mais importante é ressaltar que isto é normal e melhora após os 4 meses de vida.

Para tentar consolar a criança o mais importante é que a pessoa que está tentando acalmar a criança deve estar tranquila, se o cuidador começar a se sentir desesperado provavelmente não terá sucesso.

Existem algumas técnicas para tranquilizar crianças nesta situação:

1- movimento de balançar (com criança no colo, em carrinho de bebê, ou mesmo no carro)

2- oferecer algo para a criança sugar

3- colocar música suave

4- usar barulho constante e suave (barulho do ventilador por exemplo)

5- fazer massagem com óleo hidratante apropriado

6- dar um banho morno

Se nada disso funcionar uma possibilidade é que a criança tenha dor, ou cólica, então como última opção os pais podem tentar usar algum analgésico ou medicação indicada por seu médico. Podemos em outra oportunidade falar sobre possíveis tratamentos para a cólica do lactente.

Por fim existem alguns sintomas que podem acompanhar o choro e que podem significar algum problema de saúde:

1- dificuldade respiratória ( gemidos e respiração irregular )

2- febre

3- dificuldade para se alimentar

Nestes casos é importante levar a criança ao pediatra para uma melhor avaliação.

Então lembrem-se que o choro, apesar de causar aflição nos cuidadores, é apenas uma forma do bebê se comunicar, e tende a diminuir com o tempo. Os pais devem tentar entender a demanda da criança, mas se tudo já foi tentado e a criança continua chorando é preciso ter calma e pode ser necessário o suporte de algum familiar, pois o choro não trará prejuízo para a criança mas pode causar grande estresse aos pais. Seguem abaixo algumas bibliografias que podem ajudar pais e mães a lidar com seus filhos.

 

Texto escrito pela nossa colaboradora pediatra Dra. Talita Freitas Manzoli.
Formada em medicina pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.
Residência em pediatria pela Faculdade de Medicina da USP.
Residência em Terapia Intensiva Pediátrica pela Faculdade de Medicina da USP.
Pediatra intensivista nos hospitais São Luiz Jabaquara, Cruz Azul de São Paulo e Regional de Osasco.
 
Dr. Harvey Karp – The Happiest Baby on the Block
Dr. Ronald Barr – Early Childhood Development, 2007 – What is all the crying about?
Frederick Leboyer – Shantala – Uma arte tradicional – massagem para bebês

Leave a Reply

Your email address will not be published.