Meu idoso recebeu alta hospitalar, e agora?

Meu idoso recebeu alta hospitalar, e agora?

Entenda o que é a transição de cuidados!

O seu ente teve alta hospitalar, porém, é importante que ocorra a continuação do tratamento que até então era realizado pelo hospital, da melhor forma. Para isso, um primeiro aspecto fundamental é entender a diferença entre alta médica e alta hospitalar de acordo com o CREMESP – Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo:

  • A alta hospitalar não pressupõe a cura, mas somente a ausência de necessidade de permanência em ambiente hospitalar.
  • A alta médica pressupõe a ausência de necessidade de tratamento médico.

Nos últimos anos a medicina tem se empenhado na busca pela melhora da qualidade de vida das pessoas, e a transição de cuidados, também conhecida como desospitalização, prática que tem sido aplicada com resultados positivos, principalmente para pacientes idosos.

Desospitalização o que é?

De acordo com o artigo – Transição do cuidado da pessoa idosa internada para o domicílio: implementação de melhores práticas, publicado na Revista REBEn (2020) – a transição do cuidado é um termo amplo que promove a transferência segura e oportuna de pacientes entre os níveis de atenção, incluindo atividades desde a admissão, alta hospitalar e acompanhamento imediato pós-alta e sendo considerada uma parte do cuidado integrado e um programa de prevenção à reinternação. Assim, a transição do cuidado possui vários elementos essenciais, como a comunicação entre os profissionais sobre a alta hospitalar; elaboração do plano de alta; preparação do paciente e cuidador para a transição do cuidado; adesão ao medicamento; acompanhamento na pós-alta; educação do paciente sobre a autogestão/autocuidado. O sucesso da transição do cuidado, especialmente para os idosos, depende do planejamento da alta hospitalar, acompanhamento pós-alta e apoio domiciliar, reduzindo, consequentemente, eventos adversos evitáveis, como erros de medicação, quedas e infecções pós-operatórias, e, quando realizada com qualidade, reduz a taxa de reinternação.

Segundo o SECAD a desospitalização é o conceito que se refere à continuidade do tratamento médico em casa ou instituições de saúde. Ou seja, a pessoa deixa o hospital, mas não recebe alta.

A medicina entende que a desospitalização é uma forma de acelerar a recuperação de pacientes, além de racionalizar o uso de leitos hospitalares.

Abaixo separamos alguns benefícios da desospitalização, principalmente para a pessoa idosa:

  • Redução dos riscos de infecção hospitalar
  • Cuidado humanizado e individualizado com o paciente e os envolvidos
  • Redução dos custos hospitalares
  • Promove sensação de bem-estar e segurança para o paciente
  • Fortalece o estado emocional do idoso por estar próximo de sua rotina e em ambiente familiar
  • Reduz o tempo de internação devido a melhora na resposta ao tratamento

O que considerar na desospitalização!

A transição dos cuidados deve envolver cuidadores e familiares no planejamento dos cuidados, a equipe multidisciplinar e os serviços de saúde. Segundo os autores do artigo mencionado acima, durante a experiência de transição, a pessoa deve se sentir parte integrante do processo, criando novos significados e percepções.

O artigo destaca também, que o tipo de tratamento realizado no hospital pode acarretar risco à saúde da pessoa idosa no domicílio, e o planejamento da alta é o principal canal para a transferência de informações entre o hospital e o domicílio, devendo incluir informações sobre os cuidados inevitáveis na alta hospitalar.

Para o médico e vice-presidente da Academia Nacional de Cuidados Paliativos (ANCP) – Dr. Douglas Henrique Crispim – “A prática da desospitalização, é desaconselhada em casos com probabilidade de reinternação em até 30 dias ou em que o final da vida não seria tão confortável quanto um hospital”.

  • Destacamos alguns temas que devem ser considerados durante o processo de desospitalização:
  • Preparação da estrutura do ambiente que receberá o paciente de acordo com as necessidades do tratamento
  • Determinar canais de comunicação entre todas as partes envolvidas para suporte e emergências
  • A equipe médica deverá adotar protocolos, orientar e capacitar os responsáveis referente as necessidades do paciente e aos objetivos do tratamento
  • Estabelecer um plano com papéis e responsabilidades entre todos os envolvidos
  • Considerar a contratação de um serviço de home care ou um cuidador profissional de idosos

“Portanto, compreende-se a desospitalização como estratégia de cuidado, em que o paciente está no centro da atenção, variando apenas os níveis e o cenário da intervenção. Nesse sentido, desospitalização é o tempo todo, em todos os espaços, áreas de atuação e processos de trabalho. O conceito e a prática da desospitalização têm de estar presentes no processo do cuidar, na gestão, na educação em saúde, envolvendo o cuidado integral, a gestão de leitos, o planejamento para a alta, a humanização e o protagonismo do paciente” – Ministério da Saúde

Leia também em nosso blog:

Nós do Grupo Cuidar, estamos há mais de 15 anos no mercado, realizamos todo o processo de seleção de acordo com sua necessidade, e acompanhamos de perto o dia a dia para que você e sua família se sintam seguros e confortáveis.

Possuímos um banco de dados com profissionais qualificados e com experiência, com isso, queremos que a única preocupação da família diante de uma situação de necessidade de cuidados, seja estar próximo e desfrutar de momentos de carinho com seu familiar.

Nossos serviços de cuidadores de idosos em São Paulo:

  • Cuidador para intrahospitalar
  • Cuidador para desospitalização / transição de cuidados
  • Cuidador para instituição de longa permanência
  • Cuidador para pessoas com necessidades especiais
  • Cuidador para acompanhamento em exames
  • Cuidador para acompanhamento domiciliar

Siga nosso Instagram!

grupo cuidar

 

 

Fontes:
CREMESP
bvsms.saude.gov.br
SECAD – Sistema de Educação Continuada a Distância